segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” (daily-build)

Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” (daily-build) instalado e atualizado

Imagens ISO “diárias” (daily-builds) da versão seguinte do *buntu começam a ser feitas poucos dias ou semanas após o lançamento mais recente, — e de início se parecem muito com ele. — Mas logo começam a se distanciar, como se fossem de uma “rolling” distro, evoluindo a olhos vistos, até as vésperas do lançamento final.

Kubuntu 19.04 em sessão Live da “daily-build” de 23 Nov 2018

Na sessão Live, a imagem ISO do dia 23 Novembro se apresentava com KDE 5.13.5, Frameworks 5.50 e Qt 5.11.1.

Estado das distros instaladas e resultados já obtidos em cada uma, em 28 Nov 2018

Apenas 5 dias depois de instalado, já apresentava KDE 5.14.4, Frameworks 5.52 e Qt 5.11.2, — os mesmos do Arch Linux e do PCLinuxOS.

Índice


  • Instalação mínima
  • Configuração
  • De volta ao Kernel 4.4
  • Observações
  • Wallpaper

Instalação mínima


Verificação sha256sum da imagem ISO do Kubuntu 19.04 daily-build

Essas imagens ISO diárias do próximo Kubuntu 19.04 podem ser baixadas do site oficial. — Sua integridade foi testada pelo sha256sum e a seguir foi “queimada” em DVD, para guardar sem ocupar um Pendrive.

Inglês + Teclado ABNT2 para contornar crash do Instalador do Kubuntu 19.04

Nas primeiras tentativas, o Instalador quebrou 2 ou 3 vezes, com as opções de Idioma: Português do Brasil + Teclado: Português do Brasil, — mas funcionou bem com Language: English + Keyboard: Portuguese (Brazil).

O motivo pode ter sido alheio à distro, — mas esse tipo de problema já ocorreu há 2 anos, — e uma das indicações, naquela época, apontava a seleção de outro idioma (non-English) como possível causa.

Contornado esse problema, a fase manual (interativa) da instalação começou às 20:53 e se estendeu até 21: 29, sem muita pressa:

  Time   Diff   Event
  
  20:53         Installer - Lang English
  20:53         Keyboard - pt_BR
  20:53         Software
  21:22    28’  Disk setup
  21:28     5’  Partitioning - Summary
  21:29         TimeZone (creating ext4 root partition)
  21:29         User info (creating ext4 home partition)
  21:30         Slideshow (copying files: 17%)
  21:43    13’  Configuring hardware (dpkg-reconfigure)
  21:45     1’  Slideshow (grub-mount, os-prober)
  22:04    18’  Finished
  
  01:10  1h10m  Total (Diff, Sum)

A demora de 28 minutos entre as opções de Software e a apresentação das opções de Particionamento (Disk setup) deve-se à existência de 41 partições, com 11 distros a serem detectadas (scanning devices), — ou talvez à existência de alguma partição problemática.

É um caso bastante específico de hardware & multiboot. — Demoras semelhantes têm se registrado em outras instalações, como as do Kubuntu 18.04 Bionic Beaver e do Manjaro 17, por exemplo; e falha total de Grub2 ao instalar o PCLinuxOS.

Os 5 minutos das opções manuais de Particionamento devem-se, em grande parte, à necessidade de des-selecionar 11 partições Swap, — para não serem automaticamente utilizadas pelo Kubuntu 19.04.

Instalação mínima do Kubuntu 19.04 (daily build), com atualizações e software de terceiros

Na etapa de “Software”, foi escolhida a Instalação mínima (Minimal installation), — sem KDE PIM, — bem como as opções de baixar atualizações durante a instalação; e de instalar software de terceiros.

Sumário do particionamento manual para instalação do Kubuntu 19.04

Escolhido Particionamento manual, — foram des-selecionadas 11 das 12 partições Swap existentes, — e selecionadas as partições raiz e /home (formatar ambas).

Foi dada especial atenção à escolha do “disco” SSD externo sdd para instalar o carregador de partida (Boot loader), — uma vez que não existe opção de não instalá-lo, — para preservar o Menu de inicialização da máquina, cujo carregador está no sda.

Fica claro que se trata de particionamentos MBR, — e sem partições /boot separadas.

Localização de “Linux11”, de “Home11” e de “Swap11” no particionamento dos discos

As partições escolhidas formam o “Slot 11”, — uma partição-raiz, uma partição /home e uma partição Swap, — para evitar interferências mútuas entre as distros instaladas, ou a serem instaladas no futuro.

Os instaladores de algumas distros alteram o identificador UUID da partição Swap. — Se ela fosse compartilhada, isto com frequência exigiria correção manual do /etc/fstab das distros instaladas antes. — Em várias distros, também seria necessário redefinir resume=UUID no arquivo /etc/default/grub (seguido de update-grub).

Fase final da instalação, com demoras de grub-mount e de os-prober

Devido às outras 11 distros instaladas, era esperada uma demora extra de 15 a 30 minutos na fase final da instalação, — geração do Grub, — por isso, o processo foi deixado a correr sozinho daí por diante.

No entanto, nem foi tão demorado. — Acabou às 22:04, como foi constatado depois.

Arquivos do /var/log/ copiados antes de rodar o Kubuntu 19.04 instalado

O arquivo /var/log/apt/history.log indica o início e o fim da instalação de pacotes em uma faixa de 21 minutos:

  Start-Date: 2018-11-23  21:43:15
  End-Date:   2018-11-23  22:04:05

Observa-se que 22:04 também é a hora final do Log do Instalador.

Atualização do Grub pelo Mageia, para inclusão do Kubuntu 19.04 “Disco Dingo”

No dia seguinte, foi atualizado o Menu de inicialização da máquina, — pelo Grub do Mageia, — para detectar e incluir o Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” (daily build).

Desabilitando os-prober do Kubuntu 19.04

Ainda no Mageia, foi editado o /etc/default/grub do Kubuntu 19.04, para desabilitar os-prober.

Não faz sentido que todas as distros percam tempo detectando as demais, — a cada vez que recebem uma atualização do Grub ou do Tema do Grub. — Basta que cada distro mantenha atualizadas suas próprias entradas de Menu (ao atualizar o Kernel), para serem lidas pelo Grub do Mageia.

Kubuntu 19.04 no Menu de inicialização gerenciado pelo Mageia

Por fim, foi carregado o Kubuntu 19.04 instalado, — para testar se estava tudo bem, e iniciar as configurações.

Configuração


Desativação das “unattended-upgrades” no Kubuntu 19.04 instalado

A primeira providência foi desativar as atualizações silenciosas, invisíveis, de unattended-upgrades, — TAB para passar de Yes para No, — e Enter:

  sudo dpkg-reconfigure unattended-upgrades

Em seguida, atualizar as informações dos repositórios, — e instalar o Synaptic:

  sudo apt-get update
  sudo apt install synaptic

E datar os comandos, — coisa que deveria ser a primeira de todas:

  echo 'export HISTTIMEFORMAT="%F_%H-%M-%S "' >> ~/.bashrc
  source ~/.bash_profile

Informações do Synaptic no início da primeira sessão do Kubuntu instalado

A prática adotada é rodar o comando apt update no início do dia, — mas usar o Synaptic para atualizar, instalar, remover pacotes, — e aproveitar seu Histórico, que pode ser pesquisado, copiado, reaproveitado com muito mais facilidade do que arquivos de Log na partição-raiz.

Logo no primeiro momento, o Synaptic indicava 1.901 pacotes instalados (inclusive ele mesmo + 7 dependências); 118 pacotes Auto-removíveis; 9 pacotes Obsoletos; e 85 pacotes Recomendados: faltando.

Naturalmente, é preciso dar um desconto. — Jogo de Paciência, por exemplo, nem sempre é recomendável, — e é bastante discutível, o apt / Synaptic dizer que faz falta.

No primeiro momento, o Synaptic foi usado apenas para fazer as atualizações já detectadas, — 166 pacotes, além de 10 novos a serem instalados e 1 a remover. — Só uma hora mais tarde começaram a ser manualmente instalados outros pacotes.

Registros principais do Histórico do Synaptic, — desde o primeiro momento:

  Nov 24
 
  07:43:06 - Atualização inicial (166 packages +10 -1)
  08:52:29 - conky-all
  08:57:48 - lm-sensors
  08:59:55 - ttf-mscorefonts-installer
  09:06:45 - chromium-browser
  09:49:57 - gnome-screenshot
  09:59:43 - krename
  10:17:45 - kdegraphics-mobipocket
  10:29:51 - marble
  10:34:50 - calligrawords, calligrasheets
  10:39:28 - gimp (2.10.8-1)
  10:47:43 - xsane
  11:13:30 - kamera
  12:54:45 - libreoffice
  13:04:40 - completely remove: Obsolete (-8)
  13:06:28 - completely remove: Auto Removable (-62)
  13:48:36 - remove: PackageKit, Plasma Discover
  14:12:25 - QApt - missing Lang packs
  16:00:46 - gparted
   
  Nov 25 20:30:28 2018 - Frameworks 5.52 (I)
  Nov 26 12:32:49 2018 - Frameworks 5.52 (II)
  Nov 27 10:22:42 2018 - Frameworks 5.52 (III)
   
  Nov 27 10:26:50 2018 - screenruler

  Nov 28 15:30:12 2018 - KDE 5.14.4 (I)
  Nov 29 10:10:46 2018 - KDE 5.14.4 (II)

  Nov 29 10:51:12 2018 - midnight-commander (mc)
  Nov 29 10:52:08 2018 - htop
  Nov 29 10:52:53 2018 - screenfetch

Fica claro que quase a metade dos pacotes “Auto-removíveis” deixaram de sê-lo, — talvez, porque não devessem fazer parte da “Instalação mínima”, — mas se tornaram úteis após a instalação do Marble, Calligra, Kamera, LibreOffice etc.

Habilitando a montagem automática de partições dos HDDs internos

Porém, antes de começar a instalar e remover pacotes de software, foram feitas várias configurações do KDE, — por questões de hábito e gosto pessoal:

  07:50 - System settings - configure - Icons mode
  07:51 - Workspace behavior - Single click
  07:51 - Active screen Corners & Edges - disable
  07:52 - Screen locking - disable
  07:52 - Keyboard - Turn on NumLock on KDE startup
  07:53 - Keyboard - Third level - Left-Win
  07:53 - Compositor (OpenGL 2.0) > XRender
  07:54 - Removable storage media - Automount (HDDs)
  07:56 - KDE Wallet - disable
  07:57 - Clock appearance - show Date
  07:58 - Numeric, currency and time formats - pt_BR
  07:58 - File search - disable
  07:59 - Restore manually saved session
  08:00 - PrtScn shortcuts (Spectacle)
  08:02 - Color scheme Breeze - DON'T apply to non-Qt applications
  08:05 - Restart - Automount - Ok

Antigamente, o clique-único era configurável na seção do Mouse, — mas em tempos recentes foi levado para a seção de Comportamento da área de trabalho, pois na verdade também diz respeito a Touchpads e Touchscreens.

Mesmo com o Teclado configurado para ABNT2 (pt_BR), ainda é necessário definir manualmente o acesso ao Terceiro nível, — coisas como « m³ km² © € £ ½ ¼ » etc., — e habilitar NumLock.

Todas as distros instaladas com KDE nesse hardware, há vários anos, automaticamente se configuram para usar Compositor OpenGL 2.0, — mas isso deixa a tela meio “nervosa”, — e várias vezes impediu a transparência do Conky.

A montagem automática de partições pelo KDE tem funcionado sem problemas no Kubuntu (e no KDE Neon, no Mint KDE), sem necessidade de mexer com autorizações. — Todas as partições habilitadas ficam automaticamente disponíveis para leitura e gravação, — desde que suas pastas e arquivos “pertençam” ao mesmo usuário / grupo 1000:1000 (e com senha, arquivos de sistema das demais distros).

Configuração de formatos Numéricos, monetários e de data / hora (pt_BR)

Embora possa conviver muito bem com todos os menus e aplicativos em inglês, — o que até ajuda a comunicação em foruns internacionais, — não há como abrir mão dos formatos brasileiros de data, hora, moeda, separadores decimais etc.

Infelizmente, isso parece ter acionado a tradução em português dos menus de vários aplicativos, — além de disparar sucessivas reclamações de que os pacotes de suporte a Idioma estavam incompletos (adiante). — Aparentemente, os principais aplicativos do KDE reagem automaticamente à escolha dos “formatos” regionais.

A chamada Pesquisa de arquivos (Filesearch) já consumiu muita RAM e CPU, durante anos, — até descobrir que não faz nenhuma falta, para Buscas simples (Dolphin) ou avançadas (KFind). — Desde então, sempre desabilito essa indexação.

Por padrão, o KDE do Kubuntu veio configurado para “Restaurar a sessão anterior”, — e se você esquece de fechar o Dolphin minimizado (ou outro aplicativo KDE), ele reaparece ao iniciar a próxima sessão, tal como estava antes, o que é muito prático, para retomar o trabalho do ponto onde parou na véspera. — Ao optar por “Restaurar sessão salva manualmente”, o menu de saída passa a exibir a opção de “Salvar sessão”, e com isso você pode estabelecer uma sessão padrão, invariável (para monitorar o uso inicial de Memória RAM, por exemplo).

Nesse ponto foram apenas invertidas as teclas de atalho — PrtScn para capturar e salvar silenciosamente; Shift-PrtScn para abrir o diálogo do Spectacle, — até instalar o Gnome-screenshot.

Desabilitando aplicação de cores do KDE em aplicativos não-Qt

Desabilitar a aplicação do esquema de cores do KDE em aplicativos não-Qt, — como Gimp, — evita que eles apresentem camadas ilegíveis de dicas etc.

Ao reiniciar o computador, as partições dos HDDs internos já foram automaticamente montadas, — mas não as do SSD externo (USB), — que em outras distros dispensam habilitação específica.

Configuração do Gerenciador de tarefas (Task manager): sem dicas, sem rolagem, ordem manual

  08:16 - Kate - open last used session
  08:27 - Task manager - config
  08:28 - Dolphin - Preferences - startup folder
  08:30 - Dolphin Previews - config
  08:36 - Gwenview - config
  08:39 - Wallpaper
  08:53 - Conky - beginning
  05:55 - Automount external SSD (USB) partitions
  09:10 - KSysguard - Akonadi, Baloo, PIM - none
  09:21 - Chromium - Video - Ok
  09:28 - Maia transparent (Theme)
  09:30 - Transparent-oxygen (Windows decoration)
  09:37 - Menu icon - KDE
  09:39 - Restart - Automount - Ok
  09:43 - Save Session - only Conky

A configuração do Kate para “Carregar a última sessão usada” é muito útil, quando se trabalha com vários textos, por vários dias seguidos (ou sempre, no caso do .conkyrc e do “histórico de pacotes”). — Salve uma “sessão” do Kate, dê a ela um nome relevante, — configure o Kate para abrir a última sessão, — e sempre que o abrir de modo direto, ele exibirá os mesmos textos de antes.

Isso não acontece se você o abrir por clique em um arquivo específico. — Neste caso, basta “Abrir sessão”, Enter, e voltam os textos anteriores. — Então, torne a clicar no arquivo específico, e ele se soma aos demais.

Foram desabilitadas as “dicas” do Gerenciador de tarefas, com seus retângulos enormes, — bem como a rolagem entre os aplicativos. — A ordenação manual permite organizar os aplicativos na Barra de tarefas, conforme preferir.

Estado inicial das pré-visualizações do Dolphin

Com o Dolphin já bastante personalizado, foi feito um registro das pré-visualizações originais, — a serem ampliadas mais tarde (adiante).

A montagem automática das partições dos HDDs internos já permite a configuração da partição /XTudo como “página inicial”. — É ali que estão os arquivos mais usados.

A configuração inicial do Gwenview se resume a fechar o painel lateral (F4); ampliar sua janela para uma boa visualização de imagens, — e definir Esc para Sair (ou Q, se não for possível). — Mais adiante, a Barra de ferramentas também será simplificada, com apenas “Ajustar”, “100%” e as setas de Anterior e Próximo.

Montagem automática de partições do SSD externo (USB), — mesmo se conectado depois

De volta às Configurações do sistema (KDE System settings), foi habilitada a montagem automática também das partições do SSD externo (USB), — tanto no início de cada sessão, quanto no caso dele ser plugado mais tarde.

Isso foi feito ainda na fase inicial de adaptação de um arquivo ~/.conkyrc trazido do LMDE 3 Beta, — que estava instalado, antes, no mesmo “Slot 11”. — Manter o ~/.conkyrc da distro instalada antes no mesmo “slot” facilita aproveitar o bloco inferior, com os caminhos (path) das 41 partições, com poucos ajustes (busca e substituição automática).

Reaplicação do ícone KDE ao Menu após o tema Maia transparent (Manjaro)

Após aplicar o tema Maia transparent (proveniente do Manjaro), — além da decoração de janelas Transparent oxygen, — era necessário restabelecer o ícone do KDE no Menu.

A essa altura, o Conky já tinha sido fechado e reiniciado (pelo Konsole), — após a instalação das fontes Verdana (ttf-mscorefonts-installer), — que mantêm certo espaçamento “semi-mono”, para alinhamento das colunas com números, pontos e letras.

Com as fontes Verdana, também aumenta o espaçamento vertical, — e falta ajustar o tamanho das letras no alto, para ganhar espaço embaixo.

Salvar sessão, — opção criada por “Restaurar sessão salva manualmente”

Pelo KSysguard, foi confirmado que nenhum processo PIM, Baloo, Akonadi está carregado, — uma boa consequência da “Instalação mínima” (bem como, de desabilitar Pesquisa de arquivos).

Desde então, o Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” tem iniciado em cerca de 1’30’’, usando cerca de 422 MiB de Memória RAM.

Enfim, “Salvar sessão”, — com apenas o Conky rodando, — para fixar uma “sessão-padrão”, e monitorar o uso inicial de Memória RAM.

Criação de comandos (gnome-screenshot) para teclas de atalho PrtScn e Shift-PrtScn

Ao iniciar nova sessão, as partições do SSD externo também já são automaticamente montadas, — o que se reflete no Conky.

Com a instalação do gnome-screenshot, foram desativados os atalhos do KDE Spectacle — e criados atalhos personalizados para os comandos:

PrtScn

gnome-screenshot -p -f "/PATH/$(date +%F_%H-%M-%S)_Kdb.jpg"

Shift-PrtScn

gnome-screenshot -p -d 7 -f "/PATH/$(date +%F_%H-%M-%S)_Kdb.jpg"

onde -p inclui o ponteiro do Mouse; -d 7 dá um retardo (delay) de 7 segundos para abrir Menus; -f manda salvar automaticamente (sem diálogo) em um arquivo nomeado por data + hora + sufixo indicador da distro (Kdb); e .jpg define o formato.

  09:51 - Gnome screenshot
  10:01 - Dolphin - Previews
  10:32 - Synaptic clean cache
  10:36 - Dolphin - Previews

Pré-visualizações obtidas no Dolphin, — exceto de arquivos ePub

Dos pacotes requeridos para a pré-visualização de arquivos no Dolphin, já vieram com a “instalação mínima” do Kubuntu 19.04:

  kio extras
  libkf5baloowidgets bin
  kimageformat plugins
  kdegraphics thumbnailers
  ffmpegthumbs

O pacote “kdesdk-thumbnailers” não estava instalado, — mas como a pré-visualização de arquivos de vídeo funcionava sem problemas, deixei assim mesmo.

Resultado inferior, apenas, ao Mageia e ao PCLinuxOS, ambos .rpm

Foram instalados, e funcionaram:

  10:17:45 - kdegraphics-mobipocket
  10:29:51 - marble
  10:34:50 - calligrawords, calligrasheets (13 packages)

O Synaptic não encontrou “kde-thumbnailer-epub” nos repositórios, — mas isso era previsível.

O resultado iguala o que foi obtido no KDE Neon (16.04), Debian testing, openSUSE Leap, Slackware (by AlienBOB), Arch, Fedora 28, — ou seja, as distros com KDE 5.12 em diante.

Esvaziar e manter vazio o cache de pacotes instalados pelo Synaptic

Durante o exame dos pacotes de pré-visualização do Dolphin, finalmente lembrei de configurar o Synaptic para apagar os pacotes baixados, após instalar, — e fazer a limpeza imediata do cache de pacotes instalados até aquele momento.

Impossibilidade de copiar fotos do celular, por cabo USB

Falhou a primeira tentativa de copiar as fotos do celular por cabo USB, — problema já conhecido, quando se tenta a opção com maiúsculas em “Gerenciador de Arquivos”.

Fotos copiadas do celular, após instalar o Kamera

Após instalar o Kamera (11:13), surgiu a opção de abrir com “gerenciador de arquivos” (em minúsculas), — que é a que costuma funcionar.

Renomeando as fotos de celular pelo KRename

Com a instalação do KRename, as fotos foram renomeadas no mesmo formato das Capturas de tela e do Histórico de comandos: — YYYY-MM-DD_HH-mm-SS_NL — onde o sufixo indica a câmera (Nokia Lumia).

Instalando pacotes de suporte a Idioma, reiteradamente reclamados por insistentes Notificações

Desde a configuração de formatos Numéricos, monetários, data e hora para pt_BR (7:58), os Menus de vários aplicativos passaram a ser exibidos em Português, — e o sistema começou a reclamar que os pacotes de Idioma estavam incompletos. — Pode ter sido só coincidência, claro.

No início da tarde, finalmente foram atendidos os insistentes reclamos da Área de notificações, — no sentido de instalar os pacotes faltantes do Suporte a idioma.

De volta ao Kernel 4.4


Experiência com Kernel 4.4.139 no Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” (daily-build)

Uma vez que o Chromium parece incapaz de lidar bem com “Páginas” do Facebook (e mais alguns fenômenos) com qualquer Kernel posterior ao 4.4, foi iniciada uma experiência, — já testada no Kubuntu 18.04 (dica Diolinux), — agora com o Kernel 4.4.139.

Opções de Kernel 4.4 do Ubuntu

Na página de Kernels do Ubuntu, encontram-se as versões desde v4.4.1-wily (2016-07-05) até v4.4.165 (2018-11-27), além das versões “rc”, — mas foi escolhida a v4.4.139 (2018-07-03), na suposição de que corresponda ao 4.4.0-139 que chegou ao Kubuntu 16.04 (+ KDE Neon 16.04, Mint 18 KDE) há cerca de 2 semanas.

Será que de fato corresponde? A verificar. — A única certeza, é de que não vão chegar atualizações, “espontaneamente”. — Se for mantido, será preciso repetir o processo, com certa regularidade, — ou descobrir um modo de adicionar esse PPA (e ajustar mais alguns parâmetros), para automatizar as atualizações.

Instalação do primeiro pacote do Kernel 4.4.139, — pela ordem alfa-numérica

Instalação do terceiro pacote do Kernel 4.4.139, — pela ordem alfa-numérica

Dos pacotes oferecidos na pasta específica v4.4.139, foram baixados:

linux-headers-4.4.139-0404139_4.4.139-0404139.201807030736_all.deb
linux-headers-4.4.139-0404139-generic_4.4.139-0404139.201807030736_amd64.deb
linux-image-4.4.139-0404139-generic_4.4.139-0404139.201807030736_amd64.deb

que pela ordem alfa-numérica já se colocam na sequência em que serão instalados.

Verificação dos pacotes não-livres instalados no Kubuntu 19.04

Lembrando que, — antes de fazer a instalação do Kernel, — convém remover quaisquer drivers proprietários, para evitar problemas...

Gerenciador de drivers, — faltou um “não”, ao traduzir para o Português

... mas não existem drivers proprietários, nesse computador.

Onde se lê “precisa”, leia-se: — “Seu computador não precisa de drivers proprietários”.

Atualização do Grub, para detectar o Kernel 4.4.139

Em seguida, o Grub foi atualizado, — para detectar o Kernel 4.4.139. — Coisa rápida, uma vez que os-prober está desabilitado.

Atualização do Menu de inicialização da máquina, pelo Grub do Mageia

Com isso, o Grub do Mageia já encontra elementos para atualizar o Menu de inicialização da máquina.

Seleção do Kernel 4.4.139 nas Opções avançadas do Grub, — e seleção automática no Boot seguinte

O primeiro Boot do Kernel 4.4.139 demorou 1’55’’ e o Conky indicou pequena redução no uso inicial de Memória RAM, — 389 MiB, cerca de 1 minuto após o pico inicial (KDE, Conexão).

Cerca de 4 horas mais tarde, a máquina foi reiniciada, — e o Kubuntu 19.04 / Kernel 4.4.139 carregou em 1’30’’, com uso inicial de 387 MiB.

A opção de carregar automaticamente a última seleção, — no Grub do Mageia, — facilita continuar o teste do Kernel 4.4.139 por tempo indefinido, sem necessidade de remover apressadamente o Kernel padrão.

Navegação relativamente ágil, — apesar do consumo relativamente intenso de CPU

No teste mais simples, — navegar e compartilhar em “Páginas” do Facebook, — essa instalação rápida do Kernel 4.4.139 apresentou resultados um tanto dúbios.

O “consumo” de CPU não foi tão escandaloso, — e de um modo geral, a navegação não ficou devagar-quase-travando, — mas ainda não igualou a “leveza” e agilidade do Kubuntu 16.04 LTS, nem do KDE Neon (16.04), nem do Mint 18 KDE (todos com Kernel 4.4.0-139 dos repositórios oficiais).

Menor “consumo” de CPU e compartilhamento bem mais rápido, em um segundo teste

Em um teste de compartilhamento da postagem de uma “Página”, foram gastos 29’’, entre o clique em “Compartilhar” e a exibição do aviso de sucesso.

Porém, em outro teste, o “consumo” de CPU estava bem menor, — e esse tempo foi de apenas 7’’.

Ver arquivo README e os Patches

Enfim, como a experiência estava só começando, os Patches foram diferidos para melhor ocasião. — Existe, aí, diversão para muitas horas.

Observações


Comparação com as demais distros, em 26 Nov 2018

Uma vez que o veterano Kubuntu 16.04 LTS “Xenial Xerus” é a última versão a funcionar bem nesse hardware antigo, — bem como seus “derivados” Linux Mint 18 e o antigo KDE Neon “Xenial”, — não tenho intenção de substituí-los por versões mais recentes, por enquanto.

Por isso, a instalação do Kubuntu 19.04 “Disco Dingo” foi feita em outras partições, — só para não perder contato com a evolução do Kubuntu, — e aproveitei para conhecer sua “instalação mínima”, que nunca havia experimentado antes.

Também é uma oportunidade para rever as configurações adotadas nas demais distros, e registrar eventuais diferenças. — Cedo ou tarde, chegará a hora de um hardware mais atual, — em que as distros antigas deixem de ser necessárias.

Até lá, esse esquema de 12 distros em “dualboot” permite usufruir o melhor de 2 mundos, — a confiabilidade das distros mais antigas e os avanços das mais atuais, — além de experimentar distros ainda desconhecidas, durante meses, sem pressa.

A única dificuldade é decidir, pela manhã, qual delas vou usar.

KDE 5.15 Beta


KDE Plasma 5.15 Beta, desde 22 Jan. 2019

xxxxx

Horas depois, atualizar o pacote login já não causava nenhum desastre

xxxx

Wallpaper


Seleção retangular na proporção 1280 x 1024, para ampliação gradativa

Foto de Goiás (GO), Brazil, 3 April 2016, by Josue Marinho, originalmente postada no Panoramio e mais tarde preservada na Wikimedia Commons.

Verificação da largura necessária para contraste do Conky

A seleção retangular inicial de 1280 x 1024 pixels foi gradualmente ampliada, — a partir do tema central, ao fundo, — de modo a abranger uma área de sombra, à esquerda, na largura necessária para dar contraste ao Conky.

— … ≠ • ≠ … —

Ferramentas &tc.



Kubuntu

Nenhum comentário:

Postar um comentário