sábado, 25 de junho de 2016

Debian testing Stretch KDE - instalação e configuração (III)

Uso de Memória RAM ao iniciar o Debian testing “Stretch” KDE sem PIM, Baloo ou KDEwallet

Instalar e configurar o Debian, — mesmo que demore a conseguir rodar tudo que já roda normalmente no Kubuntu, — é um investimento em aprendizagem.

Mal começava a engatinhar no Linux, através do Kurumin, — uma das primeiras distribuições “facilitadas” para iniciantes, com direito a “Live CD”, — quando ele foi “descontinuado” (2008), e precisei pesquisar as alternativas mais próximas do pouco que já sabia, e das preferências já definidas.

A pesquisa resultou melhor do que se podia esperar de um iniciante, — fixou-se entre o Kubuntu 8.04, e o Debian 5 (Lenny) KDE, — bem no centro das preferências mantidas (e confirmadas) até hoje.

Acontece que havia urgência em tornar o Linux “produtivo”, e o esforço se concentrou no Kubuntu, por ser mais “dócil” para um iniciante.

Embora logo tenha começado a sempre instalar um “segundo” Linux, — Debian ou Mint, — demorou alguns anos, até poder investir mais tempo neles.

O Debian, em especial, foi ficando por último, — devido a algumas “dificuldades” que sempre apareciam, mesmo quando parecia já estar razoavelmente amansado.

Voltar ao Debian, portanto, é um velho desafio, — enfrentar as “dificuldades” (aparentes), — na verdade “aprender” e “entender”.

E, para “aprender” e “entender”, convém usar uma instalação correta, “como deve ser”.

Por isso, esta já é a terceira instalação do Debian testing “Stretch”, em poucos dias, e — após organizar este relato, — talvez seja substituída por uma quarta instalação, — “definitiva”, se tudo correr bem.

  • 1ª instalação (2 Jun. 2016) - Usada ISO “CD-1 Xfce” (não-Live). — Foram incluídos na instalação, além do “ambiente padrão” (Xfce), o Gnome, MATE, Xfce, LXDE. — Foi tentado nãoformatar” a partição de sistema. — Foi compartilhando o mesmo Swap (único) de 8,3 GiB, até então usado em comum pelos Kubuntu, Linux Mint e KDE Neon. — Relato da 1ª e da 2ª instalação.

  • 2ª instalação (11 Jun. 2016) - Utilizada ISO “Netinstall” (também não-Live). — Instalados todos os “ambientes gráficos” disponíveis: — Padrão (Xfce), Gnome, Xfce, KDE, Cinnamon, MATE, LXDE. — Foi feita com Swap dedicado (exclusivo), — já tinham sido criadas partições Swap separadas para cada sistema. — Mais uma vez, foi tentado nãoformatar” a partição de sistema (“/” = sda3). — Relato da 1ª e da 2ª instalação (Duração: 2h00min).

  • 3ª instalação (19 Jun. 2016) - Utilizada a ISO “Netinstall”. — Instalado unicamente o KDE. — Ainda foi tentando nãoformatar” a partição de sistema (“/” = sda3), — na expectativa (inútil) de que bastasse “apagar todos os dados”. — Dois erros crassos, na configuração inicial, deixaram o Debian um tanto “desnaturado”, o que dificulta “compreender” como ele é, ou deveria ser, por “default” (Duração: 1h00min).

Este relato, portanto, ainda é mais um levantamento das “peculiaridades”, dificuldades, problemas, — em fase de aprendizagem e solução, — do que um “roteiro” para “ensinar” qualquer coisa já sabida.

Duas senhas


A primeira observação refere-se à senha, — melhor dizendo, “senhas” (no plural).

Enquanto o Kubuntu e seu “derivado” Linux Mint estabelecem apenas 1 senha, — a mesma, para logar-se (como simples usuário), como para mais tarde usar os “poderes” de super-usuário, — no Debian são pedidas 2 senhas.

Faz todo sentido, — quando lembramos que o Debian destina-se à administração de um sistema, — uma vez que algumas ações afetam todo o sistema, enquanto outras afetam apenas as configurações do usuário.

No caso do Kubuntu, Linux Mint etc., — mais voltados para computadores domésticos, — a simplificação também não deixa de fazer algum sentido.

Fato, porém, é que essa duplicidade de senhas causa alguma confusão, para quem já se acostumou (ou viciou) na simplificação do Kubuntu.

Infelizmente, a “lógica” do Debian neste caso pode estar comprometida por uma burrada, — quando o sistema ficou sem administrador, — pois não é fácil a um leigo saber se o problema foi corrigido da maneira correta, ou se alguma coisa ficou diferente do que deveria ser.

Há momentos em que seria lógico aceitar a senha de usuário, — mas só aceita a de Administrador; — e vice-versa.

Este é um dos motivos para uma possível reinstalação do Debian, — uma 4ª instalação, “limpa”, sem nenhum dos erros e desvios ainda existentes.

Montagem automática de partições adicionais


A configuração do KDE para montagem automática de partições adicionais, ao iniciar a sessão, parece não fazer nenhum efeito no Debian, — embora se trate do KDE “oficial”, pelo Tasksel, no próprio processo de instalação do Debian, e sem a interferência de nenhum outro “ambiente gráfico”.

É muito possível que a melhor solução esteja em um maior aprendizado do Debian, — mas, até lá, foi adotada a montagem pelo arquivo de configuração “/etc/fstab”, — recurso que, até o momento, não precisou ser usado no Kubuntu, nem no KDE Neon, e pôde ser contornado até mesmo no Linux Mint Cinnamon.

A interface usada para isso no Debian testing “Stretch” foi o Disk Manager 1.1.1, — não encontrado no Kubuntu nem no KDE Neon, — aparentemente um tanto antigo, porém útil e prático, e sem os problemas apresentados pelo “Discos” (gnome-disk-utility) do Linux Mint 17.3 Cinnamon.

No caso das partições “E” e “F” (Fat32), o Disk Manager sugeriu (default) a opção de “Verificar dispositivo a cada 30 inicializações”, cujo resultado foi a verificação dessas partições em todas as inicializações, — com demora de mais de 1 minuto a cada início de sessão.

Por isso, a opção teve de ser desativada, — e o Debian passou a carregar dentro de um tempo mais compatível com o observado no Kubuntu e no KDE Neon.

Hora UTC x Hora local


Uma configuração de “hora do sistema” no Linux Mint 17.3 Cinnamon, — provavelmente adotada para compatibilizar com o antigo Windows XP, — conflitou com a configuração padrão do Debian.

É que o Windows XP utilizava a hora local como hora do sistema, — ao passo que o Debian prefere (recomenda) usar no sistema a hora UTC, “traduzindo-a” para hora local ao exibir no Relógio etc.

Como resultado desse conflito, o Linux Mint e o Debian apresentavam horas desencontradas, ao carregar, — vindo de um para o outro, e vice-versa, — e só depois de algum tempo isto se corrigia automaticamente, pela sincronização com os relógios da web.

O problema não ocorria ao carregar o Kubuntu ou o KDE Neon, — nem ao “vir” de um deles.

A solução mais simples e lógica foi ajustar apenas o Linux Mint, — que não apresentava indícios de outra configuração anterior, compatível com o Debian.

Screenshots


Dolphin como “Root” para copiar Screenshots do Instalador Debian e transferir “propriedade” ao Usuário

Desta vez, foram feitos todos os screenshots do processo de instalação, pelo botão do Instalador, — posteriormente resgatados da pasta “/var/log/installer”, usando gerenciador de arquivos em modo “root”, e copiados para uma subpasta em “F:\Byteria”, — onde sua “propriedade” foi transferida para o usuário “flavio”, pois até então não podiam, sequer, ser abertos pelo visualizador de imagens.

Difícil ordenar (numerar) os Screenshots da etapa de particionamento do Debian, — todos com horário “17:00”

Infelizmente, todos os screenshots trazem uma única hora, — a do final da instalação (17:00), quando foram transferidos para o disco rígido, — e seus nomes também não ajudam a ordená-los na sequência em que realmente foram feitos.

O que se pode fazer é, apenas, utilizar o “Roteiro-padrão” para ordená-los pela sequência teórica.

O resultado é desanimador, — justo na etapa mais sensível, de escolha das partições, — onde houve vários vai-e-vem:

01-localechooser_languagelist_0.png
02-localechooser_shortlist_0.png
03-keyboard-configuration_xkb-keymap_0.png
04-netcfg_get_hostname_0.png
04-netcfg_get_hostname_1.png
05-netcfg_get_domain_0.png
06-passwd_root-password_0.png
07-passwd_user-fullname_0.png
08-passwd_username_0.png
09-passwd_user-password_0.png
10-time_zone_0.png
11a-partman-auto_init_automatically_partition_0.png
12-mirror_http_countries_0.png
13-mirror_http_mirror_0.png
14-mirror_http_proxy_0.png
15-popularity-contest_participate_0.png
16-tasksel_first_0.png
16-tasksel_first_1.png
16-tasksel_first_2.png
19-grub-installer_with_other_os_0.png
20-grub-installer_choose_bootdev_0.png
21-clock-setup_utc_0.png
22-finish-install_reboot_in_progress_0.png
22-finish-install_reboot_in_progress_1.png
A ordenar (numerar), — entre “11a” e “12”:
partman_active_partition_0.png
partman_active_partition_1.png
partman_active_partition_2.png
partman_active_partition_3.png
partman_active_partition_4.png
partman_active_partition_5.png
partman_active_partition_6.png
partman_active_partition_7.png
partman_active_partition_8.png
partman-basicfilesystems_choose_label_0.png
partman-basicfilesystems_mountpoint_0.png
partman_choose_partition_0.png
partman_choose_partition_10.png
partman_choose_partition_11.png
partman_choose_partition_12.png
partman_choose_partition_13.png
partman_choose_partition_1.png
partman_choose_partition_2.png
partman_choose_partition_3.png
partman_choose_partition_4.png
partman_choose_partition_5.png
partman_choose_partition_6.png
partman_choose_partition_7.png
partman_choose_partition_8.png
partman_choose_partition_9.png
partman_confirm_nochanges_0.png
partman_confirm_nooverwrite_0.png
partman_confirm_nooverwrite_1.png
partman_confirm_nooverwrite_2.png
partman-crypto_plain_warn_erase_0.png
partman-crypto_plain_warn_erase_1.png
partman-target_choose_method_0.png
partman-target_choose_method_1.png
partman-target_mount_failed_0.png
partman-target_mount_failed_1.png
partman-target_no_root_0.png

A essa altura do campeonato, a última ideia que acena no horizonte é filmar a instalação, — o que exige baterias novas.

Tempo de instalação


Apesar de mais um bom tempo teimando com o Instalador, — dessa vez, foi acionado “Apagar todos os dados” da partição destinada ao sistema (sda3), na vã esperança de nãoformatar”, — a instalação durou exatamente 0h59min.

O menu do Instalador foi fotografado às 16:01, e a instalação terminou exatamente às 17:00.

Parece difícil de acreditar que essa diferença, — de 2h00min para 59min, — deva-se apenas ao fato de não ter instalado os “ambientes gráficos” Xfce, LXDE, Gnome, Cinnamon e MATE, mas por enquanto é a única explicação.

Dom., 19 Jun. 2016


Gravação do Pendrive com a ISO “Netinstall” dentro do Debian testing “Stretch” instalado antes

15:45 – Gerada a mídia de boot (Pendrive) pelo comando “cp imagem.iso sdc”, — dentro do próprio Debian (2ª instalação).

15:59 – Restart com o Pendrive no slot USB.

Menu do Instalador do Debian testing “Stretch”

16:01 – Graphical install (foto).

Nos primeiros 9 ou 10 minutos, foram apresentadas 10 telas para escolhas (seleção) ou preenchimento:

  • Linguagem
  • País
  • Layout de Teclado
  • Hostname
  • Domínio
  • Senha de Administrador (Root)
  • Nome completo do Usuário
  • ID do Usuário
  • Senha do Usuário
  • Fuso horário — sugeriu Brasília, como das outras vezes.

16:10 – Selecionada partição “sda3” (Tertius, Linux3) para instalação do Debian e disparado o comando “Apagar conteúdo” (não testado nas instalações anteriores). — Mas isso não foi suficiente para evitar que desse “erro”, logo adiante, e afinal tivesse de voltar atrás e mandar “formatar” a partição “sda3”.

Enfim, serviu, — pelo menos, — para eliminar a última possibilidade (hipotética) de nãoformatar”.

Com toda demora que possa ter havido nessa “teimosia”, bastaram 13 minutos para ultrapassar essa etapa, e mais os seguintes passos:

  • Escolher o país de onde serão baixados os pacotes
  • Escolher o “Mirror” dentro do Brasil
  • Deixar em branco o campo de “Proxy”
  • Aceitar a captação de informações para a enquete de popularidade dos pacotes
  • Fazer as escolhas oferecidas pelo Tasksel

Desmarcado “ambiente de área de trabalho no Debian” (=Xfce)

No Tasksel, foi des-selecionada a primeira opção, — instalar “Área de trabalho” (Xfce), no topo da lista, — e selecionado apenas “KDE”.

16:23 – “Instalando” (após bater cabeça tentando não “formatar” partição “sda3”). — Portanto, a “teimosia” não implicou em nenhuma demora desmesurada. — Mesmo sem isso, a “des-seleção” de 6 das 8 partições Swap teria exigido algum tempo.

Previsão: 10 minutos. — Ao final desse tempo, começa a “Preparar” e “Configurar” pacotes, furiosamente. — A barra de progresso ainda não estava nem na metade.

Deveria ser mais ou menos nessa altura a pergunta sobre qual gerenciador de sessão instalar, — gdm3, lightdm, ou sddm, — caso fosse instalado mais de um “ambiente gráfico”.

16:29 – Barra de progresso - “obtendo” (foto).

16:35 – Barra de progresso - “obtendo” (foto).

16:43 – Barra de progresso - “preparando e configurando” (foto).

16:49 – Ainda “preparando” e “configurando” pacotes. — Barra de progresso perto de 2/3.

16:55 – Barra de progresso - “configurando” - quase no final (foto).

16:57 – Pulou os últimos 5% ou 10% da barra de progresso (foto).

Nos últimos minutos desta fase, situam-se estas etapas:

  • Identifica outros sistemas existentes no computador e pergunta se deseja instalar o Grub (dualboot). Ok.
  • Pergunta em qual disco e partição deve ser gravado o Grub, — recomenda as trilhas iniciais do primeiro disco rígido. Ok.
  • Recomenda usar horário UTC (Londres) e deixar por conta do sistema a adaptação para hora local, — a menos que algum outro sistema precise usar relógio com hora local. Ok.

Instalação completada: — Remover a mídia de instalação (Pendrive)

17:00 – Instalação completa. — Remover a mídia de instalação (Pendrive).

Não foi percebida qualquer oferta de opção entre instalar “i386” ou “amd64”, em nenhum momento, — embora se trate de um Instalador único, para ambas as versões. — Terá havido desatenção? Parece improvável, em 3 instalações seguidas.

Menu do Grub após a instalação do Debian testing “Stretch”

17:01 – Grub do Debian (foto).

17:03 – Percebido um pontilhado ralo, no wallpaper padrão do KDE, — como um “grid” de pontos em séries horizontais e verticais, bastante espaçados. — Foto do celular não conseguiu captar esses micropontos (fora de foco). — Tecla PrtScn não causa qualquer reação. — Não parece haver Synaptic, Shutter ou Spectacle (porém não foi anotada a origem dessa impressão. Pelo exame visual do Menu? Busca no Menu?). — Discover (plasma-discover) pesadão, lento, demora a reagir ao clique e digitação no campo de Busca. Usado para instalar o Synaptic.

17:07 – Instalando Synaptic pelo Discover (foto). — Registro de todos os pacotes instalados e desinstalados.

17:09 – Synaptic, após Recarregar informações dos Repositórios, aponta 1 único pacote “atualizável” (“linux-image-amd64”). — Desmarcado código-fonte (“deb-src”) em 2 repositórios; e acrescentadas opções “contrib non-free”. — Instalados Spectacle (kde-spectacle) e Chromium.

17:21 – Chromium - “memória” de vfco.brazilia.com.br… como? (isso desmente o que imaginei em ocasiões anteriores… Ou nessa hora já tinha iniciado a sincronização?

17:40 – Desabilitada “Pesquisa de arquivos”. — Em “Pesquisa do Plasma”, desabilitados todos os itens, exceto “Aplicativos” e “Configurações do sistema”¹. — Início e fim → Restaurar sessão salva manualmente. — SDDM → Login automático. — Detalhes da conta → Flavio → [Erro!] Login automático e desabilitado como Administrador². — Logo em seguida, senha de Root já não foi aceita para desabilitar o KDEwallet¹. — Em Kamera, “configurados” Sony DSC-H2 e Nokia Lumia WP8 (na verdade, parece que nada existe a configurar, e sempre que se volta lá, não constam esses 2 dispositivos; mas estão valendo). — Montagem automática³ das partições E, F, Home1, Home2, Linux1, Linux2, Linux4 (ainda com antigas “Label”, mas nessa configuração isso não é relevante, ou foi refeito depois). Obs.: Isso é o quanto basta, para a montagem automática no Kubuntu e no KDE Neon, mas não no Debian KDE (pensei que poderia ser devido à existência de vários ambientes, mas parece que não, pois agora só existe KDE, e mais nada). — Teclado já estava configurado PT-BR (ABNT2). Configurei também Ligar NumLock. — Para configurar a tecla de acesso ao 3º nível é necessário habilitar “Configurar layouts”? Bom, só sei que marquei, configurei, tornei a desmarcar.

* Infelizmente, foram feitas pouquíssimas fotos (durante e logo após a instalação), e só 2 horas mais tarde foi ativado o PrintScreen (Spectacle), — falhas lamentáveis, para a compreensão dos fatos.

¹ Desabilitar “Pesquisa de arquivos” tornou-se um hábito-padrão, nos últimos meses, desde quando o Baloo foi flagrado consumindo CPU de modo avassalador, — e uma análise retrospectiva mostrou que isso parece nunca ter proporcionado qualquer benefício, em vários anos. — Sem ele, as buscas por arquivos (nome, conteúdo, data etc.) continuam funcionando normalmente, exatamente como antes. — Desde então, também foi observada a aparente inutilidade da “Carteira de senhas” (KDEwallet), que só serve para dar trabalho, a cada vez que se abre o Chromium ou o Firefox, e também passou a ser desativada em todos os sistemas.

² O erro de desabilitar o Usuário como “Administrador”, — tão cedo, logo após a instalação, — pode ter contaminado inúmeros fatos observados (resultados obtidos e não-obtidos), quase desde o início.

³ A montagem automática de partições, p.ex., — que no Kubuntu e no KDE Neon se obtém em Configurações do sistema → (seção Hardware) → Dispositivos removíveis → [x] Marcar os dispositivos escolhidos, — nunca chegou a produzir efeito, nesta 3ª instalação do Debian testing “Stretch”. [Também não fez efeito nas instalações anteriores (1ª  e 2ª), o que talvez pudesse ser atribuído ao fato de nelas o KDE não ser o único “ambiente gráfico”]. — A intenção era tentar todas as possibilidades imagináveis de obter a montagem automática de partições adicionais, sem alterar o arquivo /etc/fstab, porém deixando como último recurso a solução por comandos (ou scripts) a serem disparados no início de cada sessão. — Afinal, a solução foi obtida 3 dias mais tarde (Qua., 22 Jun. 2016), quase por acaso, num simples exame exploratório do Disk Manager, — que, sim, alterou o arquivo /etc/fstab.

17:58 – Aplicado wallpaper. — Salvar sessão. — Encerrar sessão.

18:01 – Apresentou tela de Login e pediu senha. Dolphin já apareceu aberto (minimizado) e na mesma pasta de antes; mas voltou a exibir alguns itens ocultados antes. Partições não montadas, e só monta com a senha de Root, que antes não tinha sido aceita para desabilitar KDEwallet.

18:05 – Synaptic → ttf-mscorefonts-installer. — Foi preciso fechar o Chromium e reabrir, para fazer efeito (Verdana).

Configurado Synaptic → “Apagar pacotes após instalar”; e “Apagar cache de pacotes agora”. — Essa prática foi aplicada, nas últimas semanas, aos 4 sistemas Linux instalados no computador, para que a ocupação das partições Linux1, Linux2, Linux3 e Linux4, exibida pelo Conky, seja de alguma utilidade.

  • Screenruler
  • pyRenamer
  • Kstars, Stellarium
  • tesseract-ocr-por, OCRfeeder
  • Diffuse
  • Conky-all (curl já estava marcado)
  • fonts-wine, wine, winetricks, playonlinux (não aparece Gecko)
  • Disk-manager (o “parted” já estava instalado)
  • Krusader
  • Psensor, hddtemp, fancontrol, lm-sensors

xx


Swap de 4 GiB estava ativo, segundo KSysguard.

18:44 – Conky indica que o Debian (+“/home”) ocupa 5,33 GiB da partição.

Atalho para o Spectacle salvar captura de tela (sem perguntas), — na pasta e com o nome definidos antes

19:32 – Configurado atalho (tecla PrtScn) do Spectacle (“spectacle -b”). Na verdade, há prints (poucos) desde 13:32 19:13 (deve ter havido interrupções). — Dessa vez, Spectacle foi configurado para salvar direto na pasta comum “F:\000_print-screen” (só no KDE ainda salvava em pasta específica).

Desativando bloqueio de tela no Debian testing “Stretch”

19:40 – Desativados Bloqueio de tela e Senha ao desadormecer (a conferir).

Configuração para iniciar o Conky junto com a sessão do Debian testing “Stretch”

21:35 – Conky no início da sessão (print). — Desmarcando “Restaurar posição e tamanho” do Psensor.

Configurações especiais do Kwin para a janela do Psensor

Configurações do Kwin para “lembrar” a posição e o tamanho da janela do Psensor

21:49 – Ajustada janela do Psensor no KDE Kwin (ícone no alto à esquerda de todas as janelas → clique direito → Configurações especiais de janela). — Este é um recurso que faz falta (que eu saiba!) no Cinnamon, onde continuo tendo de arrumar as janelas manualmente, a cada início de sessão.

Remoção do PIM


Início da remoção de todos os componentes do PIM do KDE

Desinstalação dos componentes do PIM — “Personal Information Manager”, do KDE, — voraz consumidor de “recursos do sistema”, tais como Memória RAM.

22:22 – Após Logout / Login, 1,0 ~ 1,1 GiB RAM em uso. Hora de um bom Restart.

Início de sessão do Debian KDE após remoção do PIM: — uso de apenas 0,40 GiB de Memória RAM, após montar “F

Após Restart → 0,34 GiB RAM em uso → 0,37 GiB após 2 ou 3 PrtScn (Spectacle não respondia… claro! Faltava montar a partição F). — Depois de montadas todas as partições, e atualizado o Dolphin para exibir várias pastas em abas diferentes, o uso da Memória RAM tende a aumentar mais um pouco.

Desmarcado novamente “Restaurar posição e tamanho” do Psensor (configuração interna) — fica menos pior a distribuição interna dos espaços (tabela / gráfico). — Para o principal, vale a configuração das propriedades específicas da janela do Psensor, no Kwin.

23:04 – Configurado “Restaurar sessão anterior”. → Feito Logout / Login, não pediu senha, — mas não restaurou Dolphin, nem KSysguard. Restaurou apenas Conky e Psensor, porque estão em Inicialização e desligamento → Iniciar automaticamente. — De volta à opção “Restaurar sessão salva manualmente”.

Seg., 20 Jun. 2016


Correção do Conky com aplicação dos novos Rótulos (Label) das partições

Kubuntu — Conferir, corrigir e alterar algumas variáveis que influem na “harmonia” entre os 4 Linux.

Algumas partições foram renomeadas, para ficarem mais claras:

  • Primoroso → Home1
  • Debioso → Home2
  • Tertius → Linux3 — esta mudança ocorreu durante a 3ª instalação do Debian.
  • Quatuor → Linux4

Corrigidos o Conky e o Dolphin do Kubuntu. — Alterações não afetaram o funcionamento do Luckybackup.

Ter., 21 Jun. 2016


De volta ao Debian KDE.

10:05 – Autentica automaticamente. — Partições não montadas. — Kwallet ainda ativado. — Me dou conta de que não estou como Administrador.

10:19 – Apliquei a mesma receita testada no Kubuntu, e agora estou como Administrador, porém desmarcada “Autenticação automática”, — mas fez Login automático [Obs. em retrospecto: essa opção é em outro lugar: SDDM, e não em Usuários!]. — E não aceita minha senha (root), nem para montar partições no Dolphin.

Retrospecto: – Debian é o único do grupo que exige a criação de 2 senhas, — já na instalação, — independente de haver ou não mais de um usuário (aliás, isso nem vem ao caso, durante a instalação).

Algo estranho com o Swap do Debian.


Verificando os identificadores UUID:

flavio@Linux3:~$ ls -al /dev/disk/by-uuid
total 0
drwxr-xr-x 2 root root 360 Jun 21 10:10 .
drwxr-xr-x 7 root root 140 Jun 21 10:10 ..
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 1920b14c-3f36-4299-862d-4389cf862aec -> ../../sdb5
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 1faf0f4f-e2af-4896-ad39-03ae703c2fbb -> ../../sda9
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 3dddb61d-b8f4-4864-89f8-53404f7aabef -> ../../sda7
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 3eb2a95f-a249-4508-b036-d5c6c193c961 -> ../../sda1
lrwxrwxrwx 1 root root  11 Jun 21 10:10 462526b1-2df0-4d28-8c91-cfbee1f04b0a -> ../../sda10
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 4AD5-43EA -> ../../sda6
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 6f053da1-dd55-4c67-a9c7-eb4f0f0b226b -> ../../sdb8
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 89f3c9f7-17e6-4926-8347-19698765896a -> ../../sdb1
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 985B-1E0D -> ../../sda5
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 b0f781b0-2ebb-4bac-9d80-e33b6dd472c3 -> ../../sda3
lrwxrwxrwx 1 root root  11 Jun 21 10:10 b0f8dd12-c0df-4f15-9fe9-34df576c8939 -> ../../sdb10
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 b1df482f-d1d4-4f3a-a792-cc82b85eaeba -> ../../sdb9
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 b85001e4-9fac-409c-b012-b7aa29e24288 -> ../../sdb7
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 eedd63aa-51fd-49a9-8712-01c9730c2dcd -> ../../sda8
lrwxrwxrwx 1 root root  11 Jun 21 10:10 f746c59c-ae1a-433f-82c3-358949802d51 -> ../../sdb11
lrwxrwxrwx 1 root root  10 Jun 21 10:10 fe8b7be8-c7be-475e-9319-9136cac69c20 -> ../../sdb6
flavio@Linux3:~$


Verificando o arquivo “etc/fstab”:

# /etc/fstab: static file system information.
#
# Use 'blkid' to print the universally unique identifier for a
# device; this may be used with UUID= as a more robust way to name devices
# that works even if disks are added and removed. See fstab(5).
#
# <file system> <mount point>   <type>  <options>       <dump>  <pass>
# / was on /dev/sda3 during installation
UUID=b0f781b0-2ebb-4bac-9d80-e33b6dd472c3 /               ext4    errors=remount-ro 0       1
# swap was on /dev/sda9 during installation
UUID=5446877b-4d9f-4612-bcda-5988d21e3a12 none            swap    sw              0       0
# swap was on /dev/sdb10 during installation
UUID=         -edc9-45c9-a9de-c2eb8dd0af6a none            swap    sw              0       0
/dev/sr0        /media/cdrom0   udf,iso9660 user,noauto     0       0


10:43 – “sudo kate /etc/fstab” → primeiro, rejeitou minha senha (Root), mas em seguida aceitou a segunda senha (de Usuário).

10:49 – Os 2 Swap do Debian estavam com UUID errado! (corrigi).

12:09 – Atualização: 76 pacotes + 1 novo a ser instalado.

Erro: – Desinstalação completa de tudo que o Synaptic apontou como “Auto-removível” (total: 155 pacotes) me deixou sem LibreOffice, e sei lá que mais.


Uso da partição raiz caiu para 4,72 GiB.

Synaptic → “Remoção completa” de mais 17 pacotes qualificados como “Não instalado – configuração residual”.

Fechando tudo (exceto Sensores / Monitores), para encerrar, uso da Memória RAM cai para 0,49 GiB. → Salvar sessão.

12:22 – Restart.

12:24 – Escureceu, mas não parou Conky, nem Psensor, nem KSysguard; e se clico na barra, ou na tela, clareia e está tudo normal. — Desligar: mesma coisa. — [Provavelmente devido à desinstalação desatenta de: x11-apps, x11-session-utils, xinit, xorg, reinstalados adiante. Não sei como o sistema ainda funcionava].

12:30 - Na hora de Reiniciar ou Desligar, só escurece, e segue tudo funcionando. E basta clicar na tela ou na barra, para clarear de novo, e seguir normalmente a sessão.

Ativado o Swap:

flavio@Linux3:~$ sudo swapon /dev/sda9
[sudo] senha para flavio:
flavio@Linux3:~$ sudo swapon /dev/sdb10
flavio@Linux3:~$ sudo swapon -a

Agora, pelo menos o Swap apareceu no KSysguard.

De novo: Salvar sessão, depois Reiniciar.

Não Reinicia.

Synaptic não indica nada “quebrado”.

O jeito foi abrir o Terminal → su → senha root (não de usuário!) → reboot

13:00 – Reiniciou com Swap ativado, — e todas as demais partições desmontadas. — Mas bastou montar pelo Dolphin, com senha do usuário (não de Root!).

Realinhamento à direita do uso de espaço nas partições

Mais alguns ajustes no Conky — a partir daqui, pela primeira vez, ocupação das 8 partições alinhada à direita, antes dos retângulos-gráficos.

Baixando fotos do WindowsPhone por cabo USB no Debian testing “Stretch” KDE

13:28 - copiadas fotos recentes do Nokia Lumia para uma nova subpasta.

Ao final, como não há opção de contexto "Ejetar", nem "Desconectar com segurança" etc., apenas desconectei o cabo.

Renomeando as fotos do celular no padrão “Data_Hora_NL.jpg”, com o pyRenamer

13:34 - renomeadas as fotos, com o pyRenamer:

{imageyear}-{imagemonth}-{imageday}_{imagehour}-{imageminute}-{imagesecond}_NL.jpg

13:50 - Restabelecendo LibreOffice e outras coisinhas, e adicionando mais algumas. — Registro de todos os pacotes instalados e desinstalados.

14:13 – Reinstaladas algumas coisas que provavelmente fizeram falta na hora de “Sair” → Reiniciar, Desligar, Encerrar sessão etc.:

  • x11-apps, x11-session-utils, xinit, xorg

A partir daí, voltou a funcionar o “Sair”.

14:50 – Existem 29 pacotes “Recomendação faltando”, — incluem coisas do PIM (kdepim-runtime, que chamaria de volta boa parte do resto). — Registro de todos os pacotes instalados e desinstalados.

Acabei instalando algumas coisas, selecionadamente, — mas não sei se vieram desse grupo “recomendado”, ou de uma pesquisa por “kde”:

  • kdeadmin
  • kdesudo
  • kdf
  • komparator
  • krename
  • ksystemlog
  • ktorrent
  • kuser

19:25 – Inicialização e desligamento → Tela de autenticação SDDM → Avançado → Entrar novamente após sair.

19:27 – Desabilitado Kwallet (finalmente). — Em Gerenciador de Usuários, estou (novamente) como Administrador, porém segue desabilitada “Autenticação automática”. — O importante é que nunca mais pediu Login ao carregar o Debian (e espero que agora também não peça, ao “Encerrar sessão”, e já inicie de novo outra sessão, conforme marquei agora no SDDM). — Obs.: Neste momento, falta (já faz horas) um Restart, para conferir, nem lembro mais o quê, feito hoje à tarde.

Qua., 22 Jun. 2016


Resolvida a montagem automática de partições adicionais, com o Disk Manager

10:12 – Resolvida a montagem automática de partições adicionais, com o Gerenciador de discos.(Disk Manager 1.1.1).

Não era o que desejava, — prefiro a solução “normal” do KDE no Kubuntu e no Neon, sem afetar o arquivo “/etc/fstab”, — porém foi tão simples e efetivo, — sem os problemas do “Discos” no Linux Mint 17.3 Cinnamon, — que vai ficar assim mesmo.

Infelizmente, o “Disk Manager” não está disponível nos repositórios normais do (Kubuntu ou do KDE Neon?).

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Google Earth sem placa de video no Xenial

Google Earth no Kubuntu 16.04 Xenial, sem placa aceleradora de vídeo

O desaparecimento do pacote “lsb-core” dos repositórios do (K)Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus gerou uma complicação a mais para a instalação do Google Earth, — que já era trabalhosa, para quem não tem placa aceleradora de vídeo (“3D accelerated card with shader support”).

O pacote “lsb-core” era uma das dependências utilizadas em um “método alternativo” para instalar o Google Earth, — testado com sucesso no Kubuntu 14.04 i386 e no Kubuntu 14.04 amd64.

Esse mesmo “método alternativo” também foi usado com sucesso, mais tarde, para instalar o Google Earth no Linux Mint 17.3 Cinnamon.

Sempre, sem placa aceleradora de vídeo (“3D accelerated card with shader support”).

Google Earth sem placa 3D


Por partes, — à la Jack Stripper, — o “método alternativo” consistia nos seguintes passos:

1) Instalar os seguintes pacotes, — coisa que prefiro fazer pelo Synaptic, — mas se preferir, use uma única linha de comando “apt”, quilométrica:

  • googleearth-package
  • mesa-utils
  • lsb-core - Não encontrado pelo Synaptic nos repos Xenial
  • gdebi
  • ttf-mscorefonts-installer
  • ttf-dejavu
  • ttf-dejavu-core
  • ttf-dejavu-extra
  • ttf-bistream-vera
  • lib32nss-mdns - Não encontrado pelo Synaptic nos repos Xenial
  • libfreeimage3
  • libc6-i386
  • libglib2.0-0:i386 - Não encontrado pelo Synaptic nos repos Xenial
  • libsm6:i386
  • libglu1-mesa:i386
  • libgl1-mesa-glx:i386
  • libxext6:i386
  • libxrender1:i386
  • libx11-6:i386
  • libfontconfig1:i386
  • multiarch-support

Obs.: - A lista (acima) refere-se ao Kubuntu amd64, pois no Kubuntu i386 as dependências eram bem menores.

2) Rodar no Konsole o seguinte comando:

make-googleearth-package --force

cuja função é baixar o código binário, e “construir” um pacote debian “personalizado” para seu computador, — hardware, sistema etc. específicos.

3) Ao final da “construção” do pacote “.deb”, você deve receber alguma mensagem como essa, — indicando o comando exato para o passo seguinte, — a instalação, propriamente dita:

-----------------------------
Success!
You can now install the package with e.g:

sudo dpkg -i googleearth_6.0.3.2197+1.2.0-1_amd64.deb
-----------------------------

4) Ainda no Konsole, você copia e dispara o comando indicado:

sudo dpkg -i googleearth_6.0.3.2197+1.2.0-1_amd64.deb

5) Por fim, um comando para “consertar” alguma dependência quebrada:

sudo apt-get install -y -f

Este mesmo “método” voltou a ser usado para, finalmente, conseguir instalar o Google Earth no Kubuntu 16.04 Xenial, ontem (23 Jun. 2016); e no KDE Neon, hoje (24 Jun. 2016), — porém, só funciona depois de obter as dependências que o Synaptic não pôde encontrar.

Como obter o “lsb-core”


Percebido o novo obstáculo, — a inexistência do “lsb-core” nos repositórios do Kubuntu 16.04, — tinha ido à busca na web, alguns dias atrás.

Já se encontram na internet várias páginas recentes, com fórmulas para contornar o problema, — porém, um tanto assustadoras, para um total ignorante das entranhas do Linux, — e o desafio acabou “ficando para depois”.

Alguns resultados mais promissores:


No entanto, a situação era preocupante, — com 4 Linux instalados (Debian, Neon, Kubuntu, Mint), — só conseguia rodar o Google Earth no Linux Mint 17.3 Cinnamon.

Exatamente o último que falta substituir!

Como instalar o Linux Mint 18, — e ficar totalmente sem Google Earth?

A solução foi indicada por Carlos Moreno, — que testou e comprovou as dicas da última página listada acima, — em uma conversa na comunidade Linux Mint para tod@s.

Consiste, basicamente, em:

A) Baixar os seguintes pacotes, a partir do navegador (browser):


B) Instalar os 3 pacotes, rodando estes comandos, a partir da pasta onde foram salvos, — por exemplo, “/home/Downloads”:

  • cd Downloads

  • sudo dpkg -i lsb-security_4.1+Debian13+nmu1_amd64.deb

  • sudo dpkg -i lsb-invalid-mta_4.1+Debian13+nmu1_all.deb

  • sudo dpkg -i lsb-core_4.1+Debian13+nmu1_amd64.deb

C) “Consertar” alguma dependência quebrada:

sudo apt-get install -f

D) Reboot.

O pacote debian baixado do Google (Earth) não funciona sem placa aceleradora de vídeo 3D

E) O passo seguinte, — indicado na página, e comprovado por Carlos Moreno, — seria baixar o pacote “.deb” diretamente da página de download do Google Earth, e instalar pelo comando:

sudo dpkg -i [name of .deb file]

Porém, este último passo talvez só funcione para quem tem placa 3D, — e não para quem só tem video “onboard”:

Placa de vídeo não suportada

Your graphics card does not meet the minimum spec required to run Google Earth, which is a 3D accelerated card with shader support.

It is strongly recommended that you try running Google Earth on a differente machine or in a different rendering mode or upgrade to a newer graphics card.

You may continue but the application is unlikely to work.

Neste caso, volte à fórmula antiga, — aproveitando as dependências já instaladas:

I. - Desinstale apenas o Google Earth acabado de instalar, — assegure-se de que o Synaptic removerá apenas 1 pacote, — deixando instaladas todas as dependências obtidas.

II. - Instale pelo Synaptic o pacote “googleearth-package”, existente nos repositórios Linux.

III - Siga aos passos 2), 3), 4) e 5) da antiga “receita alternativa”:

2) Rodar no Konsole o seguinte comando:

make-googleearth-package --force

3) Ao final da “construção” do pacote debian, você deve receber alguma mensagem como essa, — indicando o comando exato para o passo seguinte, — a instalação, propriamente dita:

-----------------------------
Success!
You can now install the package with e.g:

sudo dpkg -i googleearth_6.0.3.2197+1.2.0-1_amd64.deb
-----------------------------

4) Ainda no Konsole, você dispara o comando indicado:

sudo dpkg -i googleearth_6.0.3.2197+1.2.0-1_amd64.deb

5) Por fim, um comando para “consertar” alguma dependência quebrada:

sudo apt-get install -y -f

E finalmente pude rodar o Google Earth no Kubuntu 16.04 LTS.

Registros do processo no Kubuntu.

Google Earth no KDE Neon


Google Earth no KDE Neon, sem placa aceleradora de vídeo 3D

Comprovado no Kubuntu o sucesso da nova “fórmula composta”, a instalação do Google Earth no KDE Neon foi simples e rápida, — alternando os passos descritos acima:

1) - Obter as dependências possíveis pelo Synaptic.

A), B), C), D) - Obter as dependências que o Synaptic já não encontra nos repositórios Xenial.

2), 3), 4), 5) - Construir o pacote “.deb” personalizado, instalar, e “consertar”.

Registros do processo no KDE Neon.

Arquivo “myplaces.kml” copiado do Kubuntu para o KDE Neon

Uma vez que o KDE Neon nãoherdou” nenhuma partição “/home” anterior, contendo algum velho arquivo “myplaces.kml”, foi necessário copiá-lo do Kubuntu 16.04, — que “herdou” as configurações do antigo Kubuntu 14.04.

Com isso, o Google Earth funciona agora em 3 dos 4 Linux, — e o Linux Mint 17.3 Cinnamon poderá ser substituído pelo Linux Mint 18 KDE, sem colocar em risco o fluxo de trabalho.

Memória de vídeo


De acordo com as informações obtidas pelo comando “lspci” no KDE Neon, estão alocados 256 MB ao vídeo “onboard”:

flavio@linux4:~$ lspci -v -s 00:02.0
00:02.0 VGA compatible controller: Intel Corporation 82G33/G31 Express Integrated Graphics Controller (rev 10) (prog-if 00 [VGA controller])
        Subsystem: ASUSTeK Computer Inc. P5KPL-VM Motherboard
        Flags: bus master, fast devsel, latency 0, IRQ 27
        Memory at fea80000 (32-bit, non-prefetchable) [size=512K]
        I/O ports at dc00 [size=8]
        Memory at e0000000 (32-bit, prefetchable) [size=256M]
        Memory at fe900000 (32-bit, non-prefetchable) [size=1M]
        Expansion ROM at <unassigned> [disabled]
        Capabilities: <access denied>
        Kernel driver in use: i915
        Kernel modules: i915

Informações obtidas pelo comando “lspci” no Debian, inclusive com senha:

Linux3:~$ lspci -v -s 00:02.0
00:02.0 VGA compatible controller: Intel Corporation 82G33/G31 Express Integrated Graphics Controller (rev 10) (prog-if 00 [VGA controller])
        Subsystem: ASUSTeK Computer Inc. P5KPL-VM Motherboard
        Flags: bus master, fast devsel, latency 0, IRQ 27
        Memory at fea80000 (32-bit, non-prefetchable) [size=512K]
        I/O ports at dc00 [size=8]
        Memory at e0000000 (32-bit, prefetchable) [size=256M]
        Memory at fe900000 (32-bit, non-prefetchable) [size=1M]
        [virtual] Expansion ROM at 000c0000 [disabled] [size=128K]
        Capabilities: <access denied>
        Kernel driver in use: i915
        Kernel modules: i915

flavio@Linux3:~$ sudo lspci -v -s 00:02.0
[sudo] senha para flavio:
00:02.0 VGA compatible controller: Intel Corporation 82G33/G31 Express Integrated Graphics Controller (rev 10) (prog-if 00 [VGA controller])
        Subsystem: ASUSTeK Computer Inc. P5KPL-VM Motherboard
        Flags: bus master, fast devsel, latency 0, IRQ 27
        Memory at fea80000 (32-bit, non-prefetchable) [size=512K]
        I/O ports at dc00 [size=8]
        Memory at e0000000 (32-bit, prefetchable) [size=256M]
        Memory at fe900000 (32-bit, non-prefetchable) [size=1M]
        [virtual] Expansion ROM at 000c0000 [disabled] [size=128K]
        Capabilities: [90] MSI: Enable+ Count=1/1 Maskable- 64bit-
        Capabilities: [d0] Power Management version 2
        Kernel driver in use: i915
        Kernel modules: i915


Fica o registro, para consulta no futuro.

Linux Mint 18 “Sarah” KDE (Beta)


Google Earth no Linux Mint 18 “Sarah” KDE (Beta)

Em 22 Ago. 2016, o mesmo processo foi aplicado no Linux Mint 18 “Sarah” KDE (Beta), instalado dois dias antes.

12:06 - Para registro → Brevíssima experiência de carregar o Linux Mint 18 “Sarah” KDE (Beta) com o Kernel 3.19, — herança do antigo Linux Mint 17.3 Cinnamon, ainda existente na partição do sistema, e incluída pelo Grub no Menu de inicialização.

O Psensor não funcionou (vazio de itens); a partição “F” não foi encontrada pelo Dolphin, para montagem (agora vale “F1”); e por isso, o Spectacle não respondeu à tecla de atalho “PrtScn” (chamado pelo Menu, não pôde gravar em “F”).

13:48 - Baixados e instalados, por linhas de comando, os 3 pacotes “avulsos” do “lsb”, — seguidos do comando “sudo apt-get install -f”, para “consertar” (provavelmente atualizou as informações dos repositórios).

Um download paralelo já tinha 23 minutos (13:25) e prometia durar mais 22 minutos (terminou às 14:15).

13:58 - Ao abrir o Synaptic para as demais providências, — que costumavam ser as primeiras, — já indicou a existência de atualizações dos 3 pacotes acabados de baixar e instalar “na unha”.

Na dúvida, essa atualização foi evitada, no momento — um erro!.

14:09 - Verificando, no Synaptic, a lista de pacotes da antiga receita. — Vários pacotes da lista já tinham sido instalados como dependências dos 3 pacotes iniciais (inversão da sequência seguida em Julho).

É claro que seria bem mais rápido mandar instalar todos de uma vez, com uma única linha de comando.

14:16 - Synaptic instala o que falta, — porém, sem atualizar os 3 “lsb” recém-instalados por linhas de comando.

14:18 - Linux Mint carregado, após Reboot. — Só então, o mintUpdate emitiu alerta de atualizações. — Teclado sem acesso ao 3º nível (pode ser efeito da experiência com Kernel antigo).

??:?? - Disparado o comando “make-googleearth-package --force”, para construir o pacote Google Earth “personalizado”.

14:28 - Disparado o comando “sudo dpkg -i googleearth_6.0.3.2197+1.2.0-1_amd64.deb”, de instalação do pacote Google Earth “personalizado”.

Em seguida, o comando consertador “sudo apt-get install -y -f”.

O comando gerador do pacote foi rodado ANTES de atualizar os 3 mosqueteiros, — só mais adiante, — portanto, essa atualização tardia não entrou na construção do pacote do Google Earth.

14:29 - Google Earth funcionando.

14:38 - Synaptic → atualizar os 3 pacotes “lsb”, — instala mais 3 dependências.

14:39 - Após Recarregar suas próprias informações dos repositórios, o mintUpdate reconhece que está tudo atualizado. — Parece não compartilhar das informações recarregadas pelo Synaptic.

14:40 - Google Earth continua funcionando.

15:14 - Gimp com letras pretas (pode ser efeito da experiência com Kernel antigo).


Debian testing “Stretch”


“googleearth-package” ainda não encontrado

O processo ainda não pôde ser aplicado ao Debian testing “Stretch”, por falta de arquivo “candidato”, — ainda não foi encontrado “googleearth-package” nos repositórios.

flavio@Linux3:~$ sudo apt install googleearth-package
[sudo] senha para flavio:
Lendo listas de pacotes... Pronto
Construindo árvore de dependências    
Lendo informação de estado... Pronto
O pacote googleearth-package não está disponível, mas é referenciado por outro pacote.
Isto pode significar que o pacote está faltando, ficou obsoleto ou
está disponível somente a partir de outra fonte

E: O pacote 'googleearth-package' não tem candidato para instalação


Na verdade, falta muito mais do que encontrar um pacote, — falta compreender o “jogo móvel” entre “sid”, “testing” etc.

— … ≠ • ≠ … —

Ferramentas &tc.


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Linux ficou sem Administrador. O que fazer?

O “risco” que queria evitar: — “Administrador” + Autenticação automática

Apertem os cintos: — Não existe mais “Administrador”.

Na Seg., 20 Jun. 2016, deletei uma conta temporária*, criada para um usuário “Visitante” no Kubuntu.

A ideia era voltar a logar automaticamente, no início de cada sessão, — sem aquela burocracia de parar numa tela de Login, digitar senha, clicar Ok.

Só que, — receando algum “risco” de habilitar, simultaneamente, “Administrador” e “Autenticação automática”, caí na burrice de, — primeiro, — me auto-desabilitar como “Administrador”.

A partir daí, minha senha, — que no Kubuntu é a única senha, — não tinha mais valor como “Root”.

Sem acesso às demais partições, — pois a montagem automática de partições deixou de ser feita ao iniciar a sessão, — não podia abrir a documentação guardada em PDF, em busca de luzes.

Dolphin passou a exigir senha para montar, manualmente, as demais partições, — e a (única) senha não valia mais nada.

Felizmente, havia mais 3 sistemas Linux que podiam ser usados, — foi usado o Linux Mint Cinnamon, mas também poderia usar o Debian ou o KDE Neon.

A maior parte dos resultados, nas buscas web, referiam-se a “recuperar a senha” do Administrador (Root). — Só que, a senha não foi perdida. — Apenas, não tinha mais valor.

O sistema estava sem Administrador.

Precisava voltar a me conceder privilégios de Administrador, — sem ter privilégios, para poder concedê-los a mim mesmo.

Entre as dicas encontradas, 3 passos resolveram o problema:

1) No Menu do Grub, escolher o Modo Recovery, e dentro dele escolher “RootDesistir e ir para terminal em modo Root”.

Grub → Opções avançadas para Ubuntu → Modo Recovery → Root → Enter

Modo Recovery exige montagem da partição, para gravar configurações

2) Porém, ali chegando, ainda é preciso colocar as pastas do sistema em modo “Leitura e Escrita” (R/W).

Para isso, funcionaram os seguintes comandos:

mount --options remount,rw /
mount --all

Montada a partição, o Modo Recovery grava a atribuição de privilégios administrativos

3) Por fim, conceder ao usuário “flavio” os privilégios de Root:

usermod -a -G sudo flavio

Funcionou.

Confusão e equívocos


Com isso, o Kubuntu voltou a montar as partições automaticamente, no início da sessão, — o usuário “Flavio” voltou a aparecer marcado como “Administrador”, — e minha (única) senha voltou a valer como “Root”.

Na imagem que abre este relato (no topo):

  • Configurações do sistema → (Personalização) → Detalhes da conta → Gerenciador de usuários → [x] Administrador  e/ou  [x] Autenticação automática

Porém, continuou exigindo Autenticação (Login), com senha, — ao invés de entrar direto no Kubuntu, — mesmo sendo, novamente, o único usuário.

O motivo, — confirmei depois, — é que não é aí que se configura o Login automático.

Local onde se configura o Login automático / Entrar novamente após sair

O Login automático é definido em outro local:

  • Configurações do sistema → (Espaço de trabalho) → Inicialização e desligamento → Tela de autenticação (SDDM) → Avançado → [x] Login automático  e/ou  [x] Entrar novamente após sair

Volta, então, a dúvida sobre aquela “Autenticação automática”, — junto a “Administrador”.

Aquilo ali “autentica” o quê? Quais as consequências? Quais as implicações?

Na dúvida, desmarquei aquela “Autenticação automática”, — com todo cuidado, de não tornar a mexer no “Administrador”.

Agora, sim, o Kubuntu carrega e inicia a sessão automaticamente.

Inversão de senhas no Debian


No dia seguinte (Ter., 21 Jun. 2016), constatei que, — também no Debian KDE, — não era mais “Administrador”.

Aplicando a mesma receita, em poucos minutos a situação foi resolvida.

Acontece que no Debian existem 2 senhas, mesmo com 1 único usuário, — a senha de “Administrador” e a senha de mero “Usuário”.

Até onde consigo lembrar, — desde 2009, pelo menos, — o Debian sempre foi assim.

Porém, — depois de aplicar a mesma receita, para voltar a ser “Administrador” também no Debian, — agora é a senha de mero “Usuário” que tem poderes administrativos. — Tentar a senha de “Administrador” é garantia de rejeição sumária.

É provável que, — vice-versa, — a senha de “Administrador”, agora, esteja valendo para assuntos de mero “Usuário”.

Como não sei nada sobre os respectivos papéis, — da senha de “Usuário” e da senha de “Administrador”, — não será uma situação confusa, como essa, que me permitirá qualquer aprendizado seguro sobre o Debian.

E como “aprender” / “compreender” o Debian é o objetivo, não parece haver outro caminho, — exceto reinstalar.

Oportunidade, aliás, de procurar fazer uma instalação mais “correta” do que as feitas até agora.

Observações


(*) - Antes de deletar uma conta temporária de “Visitante”, é sempre recomendável copiar da “/home” dele quaisquer documentos que tenha salvado por ali, e guardá-los em local seguro, — mesmo que ele garanta, de pés juntos, que não irá mais precisar deles.

Referências


1)

For my own record and for the convenience of everyone else, I am posting a work-around here.

When you boot into Recovery Mode, enter the following two commands before doing anything else:

mount --options remount,rw /
mount --all

These commands will set Recovery Mode to how it should have been.

https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/friendly-recovery/+bug/996454

2)

sudo usermod -a -G sudo flavio

http://askubuntu.com/questions/168280/how-do-i-grant-sudo-privileges-to-an-existing-user

— … ≠ • ≠ … —

Ferramentas &tc.